Entre paralelas

Parado, vou
Ao mais longe de mim
Estendido o tempo
Num instante sem fim

Contemplo
Desfocado do momento
Nítido
Na granítica cor
Em que me sento
Cada ténue paralela
Que me diverge o movimento

No espaço e no tempo
Tudo é diferente
Nada
Em comum
Tudo me é comparável

Nos carris de um percurso
Interface
Mero laço
Único antes e depois
Intercepção improvável
Infinito encontro
Esta viagem

2010-12-08

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.