Estremecer

pediste-me no lusco fusco
ao entardecer
que me guiasse pelo cometa da noite
onde me perderia
e semeasse um mar de desejos
onde tudo se colheria

não
são velas vazias
a pouco mastro cingidas
que mais vento haveria
sem mais barco para o haver

não
são velhas âncoras
de moinhos gastos
que outro vento sopraria
sem mais logro para o deter

não me seduzem destinos já lavrados
nem me governam sereias de ocasião

meu rumo é aqui
onde descortino as estrelas
meu chão o estremecimento dos sonhos

2021-01-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *