Preconceito

há o que não sabes e nem queres
para além de um rótulo no teu peito
sempre um nunca que aparece
para não te resgatar
nem ao de leve
desse teu mundo sem defeito

há o que não lês e nem supões
para além do que ouves ao teu jeito
sempre a cegueira que não vês
em tudo o que vês
sei que padeces
de não saberes de que és feito

há doenças piores que a doença
quando é turva a visão
e te adoece o preconceito

2020-05-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *