O espelho e o amigo

olá amigo
o que vês
nesse espelho que finge ser
tu e eu

amigo
apenas o livro lido
o instante decorrido
onde o tempo não pereceu

espantas-te amigo
quando descobres
a distância
sempre presente
do verso que não sabes

ama a arte
amigo
essa face do espelho sem fim
que tão bem sabe parecer
para ti e para mim

já perdi a razão
amigo
algures entre a luz e o humano
talvez a encontre
livre
talvez amigo
onde nada seja teu ou meu
além do espelho

2019-09-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *