Quotidianamente

meu destino é este tempo
sem nó nem norte
tempo sem dó
para me esquecer
na minha morte

batizei-me na repetição dos dias
para vencer a solidão
e não mais me repeti
que outras vidas
até à exaustão

meu tempo nasceu comigo
é tudo quanto li
se me morre que mais serei
se é minha maratona
se jamais me abandona
até à hora de partir

2019-07-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

1 Response to Quotidianamente

  1. Cristian diz:

    Durante um instante,
    Por sorte,
    Acaso ou morte,
    Um vasto rio se abriu
    Corrente…
    Vivente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *