Volta e meia

um homem volta e meia volta
à nascente de si mesmo
bebe da fonte a sede que não seca
e segue
de volta à incandescência do deserto

um homem sequer evita o que não quer
quando quer mas não volta
o caminho das pedras
resiste

volta e meia o mundo é um lugar ermo

2019-07-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *