Ruínas

abre as asas
voa
deixa teu corpo dormente
sob o peso da mortalha

saberás mais de ti
quão mais leves
tuas ruínas

2019-05-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *