Vitória

a pedra gravada de teu nome
onde cantaste teu fulgor
teus feitos
que glória

essa pedra onde esculpiste
a ferro e fogo
a última tentativa de ludibriar o tempo
e o desespero pela eternidade

essa pedra
é areia e pó
apenas grãos de areia e pó
tal como o teu sangue

um dia algo mais puro e leve
viverá na esperança
que sempre renasce
sorrindo
nas mãos de uma criança

2018-09-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.