Vitória

a pedra gravada de teu nome
onde cantaste teu fulgor
teus feitos
que glória

essa pedra onde esculpiste
a ferro e fogo
a última tentativa de ludibriar o tempo
e o desespero pela eternidade

essa pedra
é areia e pó
apenas grãos de areia e pó
tal como o teu sangue

um dia algo mais puro e leve
viverá na esperança
que sempre renasce
sorrindo
nas mãos de uma criança

2018-09-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *