Periferias

tenho periferias
bem no meu centro
no fundo
vejo-as pelo lado de dentro

periférica visão
atenção
não é das periferias
mas do meu coração
periclitante
onde cabem
como num jardim
os mundos de fora de mim

periférico talvez
o meu centro de tudo
meu coração perdido
sem bala nem escudo
mas nunca o abraço
nos limites do mundo
nem o beijo que desflora
teu regaço fecundo

minhas paixões são
tão secretas
assim
como a palma da mão
viajam-me intrépidas
no centro
toda a periferia
razão
da minha emoção

2018-06-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *