A idade

talvez nem sejam anos mas estes dias
talvez os meses, por minutos
se troquem nestas horas
à volta de segundos expeditos

talvez nem haja tempo mas acasos
e nos achemos entre as estrelas
casos perdidos
talvez a espera não seja então mais espera
mas o que fica
em nossas sombras
sentadas
quase caminhos

talvez seja arte a vontade de nada menos
que além de qualquer estrela que cintile
sejamos então a arte de um tempo
talvez o querer e a força de o termos

ah, sim, que idade é pedra de toque
arquivo involuntário de sonhos caídos
ímpetos esquecidos
na flor
de outros tempos
idade
é de qualquer arrojo seu declive
senhora da medida de nosso tempo
a tudo aspira
só o amor lhe sobrevive

2018-05-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *