Ide

não se vive de temores
nem a penas de tormentas
sob a vertigem das correntes

morro todas as vezes
que o sexo nasce fogo
em tuas águas quentes

do que escolho nada espero
não só de sorte é meu norte
que me faz forte afinal

ide. em terra rasa de medos
ninguém faça de sua vida
apenas o seu funeral

2018-04-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *