Dias nas pedras

hoje é um dia que nasce
igual
hoje é um dia que morre
um mais que desconto à vida
que a vida morre-se vivendo
e vivo
pelejo contra minha fome
de palavra que sobreviva

hoje é meu dia de sorte
da sorte que tem a morte
viver mais um dia comigo
e sei que todo o seu tempo
não mais é que meu tempo
em cada dia que vivo

e este dia passará
e novo dia será
e este dia será noite
e outra noite seria
amanhã
se eu fizesse
de outro um novo dia

só estas pedras são as pedras
onde me deito já não pedras
mas descanso dos sentidos
lápides já nem memórias
porque das memórias eu vivo

2017-12-31

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.