Incertezas

que há de ser entre as estrelas?
que cadência te sobrevive?
que palavra unges quando escreves?

nasces vento morres paz
tens intempéries no destino
encomendas da vida e da morte
sobre teu dorso de intentos
quem te vê sob sua nesga
não mais que inflexão de espelhos
escondendo o breu da sorte
sob o umbigo dos tempos

prisioneiro de um corpo incrédulo
em alma indecisa (aflita)
auto estimando incertezas
a cada pavio

que há de ser entre as estrelas?
que cadência te sobrevive?

2017-12-31

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *