Platonismo

arranco à memória
em cada noite escura
os sinais que me levam
teus olhos verdes

meu coração levita
não é meu domínio
de tudo se lembra
de nada padece
eu dele sim
me vou em descuido
vivo meu pensamento
a vida me esquece

não nasci por arte
nem sei se o desejo
ou se é destino
que aqui e agora
apenas almejo
nem toquei os sonhos
nas pontas dos dedos
perdi o pé
mas caminho

2017-11-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.