Falo de umbigos

perdoo em alguns egos a desmesura dos tamanhos
compreendo em outros a ânsia dos pedestais

só não desses os umbigos
nem os olhos que só vêem espelhos
umbigos
nem as falas que só falam de si
umbigos

falo dos falos que só falam cegos
na impertinência de mastros áridos
em campos sem semente nem lavra

umbigos
nada mais vêem
que a cova onde levitam

2017-08-31

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.