Não tenho palavras

não tenho palavras definitivas sobre as tuas ditas
não as saberei para as tuas desditas
e são inúteis para teus pregões

são ingénuas minhas palavras
e a vida
não mais lhes reconhece que a tecitura breve
de orvalhos sobre folhas nuas

sou a palavra e ponto
de interrogação sem medos
as exclamações quando me surpreendem
são as flores no deserto que não adivinhei
nem supus

não tenho mais palavras senão amor
quantas recebi
dei-as como espelhos
ao mundo que as quis

2017-05-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *