Para ti, liberdade

nasceste das entranhas dos sonhos
quando ainda nua a liberdade

há uma rocha de fé a que te prendes
definitiva se te agarra a ocasião
e fazes claque nas palmas que te batem
mesmo ao lado do teu coração

olha para a tua liberdade
sem saber de ti, ai liberdade

que mister de escolhas se viveres
outras ruas que não tua cidade
e seguires pela trama das lendas
teus passos
e os caminhos desertos
de resquícios de nenhuma verdade

ainda sentes e ainda que não as sintas
sofres dores por um bem maior
na apneia da tua liberdade

respira fundo
como pêndulo do mundo
ainda a tua liberdade

2017-04-25

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *