À vista do amor

à primeira vista
amor é cego
só no deslumbre se vê

à segunda
nem há cego que não dê
pelo amor
a perder de vista

à terceira
que seja
visto que é
amor de vez

2017-04-24

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *