Alegoria do tempo

sempre tão rápido
oh silvo que passas
sempre mais lento
para a vida de menos

sempre de partida
nunca de volta
já eras antes de anúncio
e serás depois de memória

não te desperdices
oh tempo
em sendas esquecidas
ou sequelas perdidas

sê vívido
fruto porquanto semeias
gérmen porque frutificas

és o tempo que dás
e a marca que ficas

2017-02-28

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *