Sopros dos tempos

há bandeiras flamejantes
em promessa
pela cura dos sonhos
nas piras dos credos

há tambores tonitruantes
em desespero
pelo paraíso
nas ruas dos medos

caem ventos de guerra
como chumbo

e eu sopro de mansinho
a palavra nua
na esperança de os deter

2017-02-28

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , . ligação permanente.