Numa relação

estou numa relação
com o destino
assaz conturbada
de natureza incerta
definitivamente indefinida
relação aberta
nem sempre querida nunca traída
nem pela morte ameaçada

chamo-o de meu
sem saber como
nem porquê
sem desvendar seus segredos
segredo-lhe os meus desvelos
cravo-lhe inteiros meus dedos
esporas da liberdade
onde o amor é incauto
e a alma se revê

amante das marés cheias
abraço sem horas vagas
o risco e os dilemas
de caminho sem fim
que cada passo mantém
assumo o nó em desafio
meu destino assim
e não desisto
cobro-lhe as algemas
finto-o que ainda vem
atrás de mim

2017-01-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *