De que vale

de que vale por que respiro
vivo e não é razão
se não a arte
se não o verso e a cor
se não a curva das minhas mãos
sobre o silêncio e a sorte
se não a música e a minha voz
na dança íngreme das planícies
se não arquiteto o amor
de que vale por que rio
e só mar não é razão
se não me invento
livre sobre este chão

que outra vida
se não a refletida
por em outras nesta vida
se não da arte
ou da sua tentativa

2016-12-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , , , . ligação permanente.