Memórias

sabes de que me fazes
sou feito deste terreno
onde as memórias não se apagam
o passado não tem remendo
é tudo deste presente
que mais futuros se alinhavam

tudo muda enquanto dura
há-de haver aventura
há-de ser ferida e a cura
de sua fonte insegura

não amedrontes meus medos
levados sob o pó das manhãs
sem princípio ou fim
meus temores são de somenos
espaventos de não morrerem
que apenas vivem de mim

2016-11-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.