Casa cidade

eu moro num quarto esquadro
meu modo de andar

logro d’ouro os sonhos
desejos com vistas largas
presos a varandins de estrelas
em velas de ventos recuados

onde aparco minhas águas furtadas

vou patamar que passa
de escada em escada
escala de sobe e desce
pátio de canções antigas
de avenidas sem saída

régua sem rumo
com o passo dos tempos
esquadria dos limites
às janelas que nos unem

e o amor em postigos

casa comigo cidade
de todos os nossos ares

2016-09-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , . ligação permanente.