Altiva circunstância

aquieta o orgulho da tua espada
põe silêncio na tua majestade
ouve o silvo dos justos
murmurando os tempos
até à nudez dos espíritos


teu brilho esmaece
se manchas as mãos sem dor

o mate de todas as cores
magnânimas e lúcidas
que te sobrevivem
em branco cintilante

2016-08-30

Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *