Luto

choro para não doer mais
a morte
que me naufraga
sentimentos
rio de todos os sentidos
do que vivo
na contingência de uma viagem

a liturgia é única
apesar das vestes ou dos ventos
morro como nasço
pela entropia da vida
ego esquecido
nos domínios dos tempos

porque morro vivo
porque vivo morro
tudo eu devo à morte
porque nada lhe dou
se não rédeas da memória
e mistérios que não sei

morro cada dia
o meu próprio dia
e todos os outros dias a que aceno
que da noite
que é dia
nascem novos dias
com destino à noite sem apelo

vivendo poderei
saber morrer de amores
e por amor sagrar o tempo
que à morte subtraio
arroubo de meus enganos
e meus temores
de morrer sem viver tentando

na morte
venço
porque vivo
por isso luto

2016-02-29

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , , , , , . ligação permanente.