A palavra sempre

o que sinto na palavra sempre é pouco
o que a palavra sempre me diz é muito

a palavra sempre me agita
nasce palavra sempre que me morre
que palavra sempre ressuscita

sempre a palavra sempre
sem demoras
sem a palavra sempre me demoro
nada a palavra sempre me tira
nem a palavra sempre a horas
me distende o tempo das desditas
de palavras sempre me enamoro

quão se doa a palavra sempre jorra
silêncio
na pauta que a palavra sempre faz
não se cala a palavra sempre grita
em mãos de palavra sempre paz

tomo a palavra sempre em goles
por mais dura
da palavra sempre se desfruta
o que à palavra sempre se disputa

sempre me empertigo na palavra
sempre arguta
sempre digo a palavra sempre enxuta
sem palavras sempre além de curtas
me vou que a palavra sempre muda
aqui sempre a palavra sempre em fuga
a palavra sempre agora é nunca

2015-12-31

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.