Desatadores

d’atas as noites marcadas
de uma saga entardecida
tentando o sol e a lua
em cada manhã desabrida
com passo desatado
estrela
das horas escorrega dias

des atas
o concerto dos astros
órbitas desalinhadas
escrevinhando acasos
na reunião vagarosa das fases

ata dores
sobre meus ombros
pendendo chagas dos sonhos
os pés a caminho
até o tempo atacado
com todo o peso des calço
no encalço do destino

2015-05-30

Gostou? Partilhe!
  • Print
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • FriendFeed
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Add to favorites
  • blogmarks
  • email
  • PDF
  • RSS
  • Tumblr
Esta entrada foi publicada em Poesia com as tags , , , , , . ligação permanente.